Da Aprendizagem ao Longo da Vida ou do Exemplo de uma Relação Ternária: Agora, Antes, Depois

Capa do Livro

Há títulos que atraem leitores para os livros que encabeçam – e, muitas vezes os desiludem porque prometem mais do que o texto dá. E há títulos infelizes que assustam e repelem os leitores – e depois os respectivos livros acabam por ser uma agradável surpresa.

É este último, manifestamente, o caso do livro em apreço, com um título desnecessariamente longo, complicado, pouco imagético. E, no entanto, o livro que encabeça é interessante, bem fundamentado, de leitura agradável e francamente inovador. Basta sublinhar que trata sobretudo duma população que só muito recentemente começou a emergir nas atenções de investigadores e investidores: os “velhos”, os “idosos” ou, como na linguagem mais moderna da autora, os “seniores”.

A obra é constituída pelos seguintes capítulos: I – “Das Universidades da Terceira Idade em Portugal a partir de 1976 e da criação do Programa de Estudos Universitários para Seniores na Universidade do Porto em 2006”; II – “Educação ao longo da vida e longevidade”; III – “A literacia e o envelhecimento cognitivo”; IV – “Os computadores vistos pelas crianças e pelos seniores. Alguns pensamentos sobre o uso e a influência das Novas tecnologias da Informação e da Comunicação ao longo da vida”; V – “A linguagem e o envelhecimento”.

Ao longo destes capítulos e através destas várias problemáticas, analisam-se e desmontam-se certos mitos relativos aos seniores, designadamente no que respeita ao “declínio cognitivo”, combate-se a ideia dos seniores como um grupo homogéneo e defende-se a importância da escolaridade e da aprendizagem ao longo da vida. Um capítulo é ainda dedicado aos possíveis efeitos benéficos do uso das NTIC, designadamente através de programas deliberadamente produzidos para reduzirem as dificuldades de aprendizagem, estimularem a “inteligência fluida” e a “memória episódica” de forma a que “o processamento da informação nova não se torne mais problemático do que o uso de estruturas do conhecimento pré-existentes.” E termino com esta hipótese de imensa pertinência, actualidade e optimismo bem fundamentado.

Recensão de Maria Emília Brederode Santos

Autor/a

Maria da Graça L. Castro Pinto

Editora

Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Ano

2008

Capa

mole

Páginas

156

ISBN

978-972-8932-34-3

Preço

13,50€

URL