Opinião

Jorge Dias de Deus | 28 Novembro 2010

Nunca gostei muito de “Educação de Adultos”, quer dizer, nunca gostei muito do nome que se dá a actividades conducentes a uma melhor integração socio-profissional dos que já não têm idade para estar no ensino de obrigação. Mas educar tem a ver, antes de mais, com a apropriação de valores, o que nos pode conduzir a um sem fim de questões de natureza ideológica.

Irene Santos | 17 Outubro 2010

O Banco do Tempo é uma organização que estabelece trocas de serviços entre pessoas, contabilizados apenas pelo tempo utilizado na realização da tarefa. O Laboratório de Aprendizagens em Cascais percebeu que o Banco do Tempo era um projecto que poderia reforçar o trabalho que vem desenvolvendo como um espaço de encontro e de troca de experiências, a ser usado individualmente ou em grupo, com a intensidade que cada um lhe conferir.

Susana Constante Pereira | 18 Abril 2010

Centrada no aprendente, a Educação Não Formal pretende promover o envolvimento voluntário e, portanto, participativo das pessoas, convidando-as a tomar parte em processos de aprendizagem, para os quais, idealmente, partem motivadas.

Nesse sentido, dos seus princípios inerentes (participação, centralidade no aprendente, desenvolvimento integrado de competências - saberes, habilidades e atitudes -, aprendizagem mútua/entre pares, aprendizagem experiencial e ambiente de aprendizagem seguro), o que encerra em si mais pendor político é o da participação das pessoas nesses mesmos processos - voluntários, sublinhe-se.

Licínio C. Lima | 08 Janeiro 2010

Uma realização da UNESCO, desde 1949, a sexta edição da Conferência Internacional de Educação de Adultos (CONFINTEA VI) realizou-se no Brasil, em Belém do Pará, entre 1 e 4 de Dezembro de 2009, sob o lema “Vivendo e Aprendendo para um Futuro Viável: o poder da aprendizagem e da educação de adultos”. À semelhança do que ocorrera na Conferência anterior, em Hamburgo, 1997, mas agora de forma mais global e estruturada, as Organizações da Sociedade Civil foram chamadas a participar nesta reunião intergovernamental.

Dediquei, ao longo da vida, uma parte significativa da minha actividade profissional e de tempos livres à Educação de Adultos. Hoje, afastado, tento estar próximo. Para tal, nunca descuro uma boa leitura sobre a problemática.
Um dia destes tive acesso ao número 70/2009 da Revista Educación de Adultos y Desarrollo. Nela fui encontrar escritos de alguns qualificados autores discorrendo sobre as metodologias da Educação Popular.

Luís Rothes | 13 Novembro 2009

A Iniciativa Novas Oportunidades está a constituir, em Portugal, um factor importante para a afirmação do direito dos adultos à educação. Entre outros méritos deste programa, estamos a conseguir desenvolver em muitas pessoas uma nova postura, construída pela positiva, face à educação e à aprendizagem ao longo da vida.

Miguel Narciso | 25 Outubro 2009

Vou falar-vos de um espaço, o Laboratório de Aprendizagens (LA), e do trabalho que aí se desenvolve, que o caracteriza de forma particular no âmbito dos processos de formação de técnicos ligados à educação/formação. O L A foi criado pela Câmara Municipal de Cascais e existe desde Março de 2004. Foi pensado para dar apoio à prática educativa dos profissionais que se encontram ligados à educação/formação de crianças, jovens e adultos.

Maria Márcia Trigo | 13 Setembro 2009

O Presidente OBAMA, na abertura do ano escolar, falou aos alunos americanos, incentivando-os a nunca desistirem de ser bons alunos, a assumirem as próprias responsabilidades na criação do futuro de cada um e do país, a aprenderem a escrever o respectivo destino, a cuidarem de si próprios para aprenderem melhor, a não terem medo de fazer perguntas e de pedir ajuda: aos pais, avós, professores, amigos ou outra pessoa mais informada.

Liliana Lopes | 08 Junho 2009

O Rendimento Social de Inserção (RSI) – medida multidimensional de combate à exclusão social, política social feita acção via organizações do 3º sector, de mãos dadas (e, muitas vezes, atadas…) com entidades públicas – define, hoje, os contornos de uma parte significativa da intervenção social em Portugal, constatação válida para os diversos vectores a que possamos recorrer para a caracterizar. Porque sou Educadora Social, e porque estou envolvida na formação de futuros Educadores Sociais, não poderia passar ao lado da análise das múltiplas formas como o RSI introduz condicionantes no desenho e desenvolvimento de projectos de intervenção social de âmbito comunitário.

Andreia Monteiro | 26 Abril 2009

As energias para trabalhar, o desejo de crescer e de aprender não preconizavam os longos dias que se avizinhavam, longos não por serem desinteressantes ou fúteis, mas por serem dias onde “coube uma imensidão” de saberes, conhecimentos, cultura, beleza, alegria, convívio e sim, de alguns momentos estratégicos para nos “refrescarmos”. Fui a Edimburgo participar em mais uma Conferência Pan-Europeia de preparação para a CONFINTEA VI.